fbpx
 
 

Ser Verde nunca foi tão lucrativo: Cadeia de Fornecimento Sustentável

Compartilhar
 

outubro 31, 2013

Ser Verde nunca foi tão lucrativo: Cadeia de Fornecimento Sustentável

Compartilhar

Como incluir na agenda da empresa objeto de sustentabilidade? É a hora perfeita para responder a esta pergunta.

Nós perdemos a sincronização com os processos e os sistemas naturais; o consumo de materiais e a influência sobre o equilíbrio natural do ambiente são excessivos e prejudiciais à vida no planeta. O nível de carbono está nos céus, e a temperatura média na atmosfera é muito diferente, como quando éramos crianças. Entender a nossa própria contribuição, planejar e ajustar-nos ao meio ambiente tornou-se cada vez mais relevante na consciência coletiva. Nós podemos ilustrar nossa situação com um famoso provérbio chinês: “Se não mudarmos nosso curso, é muito provável que terminaremos aonde vamos”. Simples.

Sustentabilidade na agenda de negocios

Tendo em conta o problema que causaram todas as nossas pequenas contribuições; a solução é semelhante: todos, pouco a pouco. O que podemos melhorar? É muito fácil e resume-se a 3 passos simples que muitos ouviram:

• Reduzir: tornar-se mais eficiente.

• Reutilização: encontrar aplicações adicionais no ciclo de vida dos materiais e os produtos que os utilizam.

• Reciclar: no final de seu uso, recuperar a maior quantidade de recursos possível e voltar para o começo.

Sustentabilidade: bases e conceitos

O conceito de sustentabilidade surgiu a partir do relatório das Nações Unidas: “Nosso futuro” (1), no qual o desenvolvimento sustentável foi definido como: “Desenvolvimento que conhece as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras para atender a seus próprios”.

Por outro lado, também foram definidos os três pilares da sustentabilidade: crescimento econômico (rentabilidade); Proteção ambiental (planeta); (e) igualdade (pessoas).

A Figura 1 mostra o “Triple Bottom Line”, como são chamados os três pilares juntos, e sua descrição:

Triple Bottom Line

 

Certamente, estamos todos familiarizados com o aspecto econômico, que é o elemento-chave para garantir a sobrevivência da empresa; rentabilidade a curto prazo, no entanto, é apenas uma pequena parte do bolo. O valor que uma empresa gera (ou remove) para a sociedade a longo prazo, ou seja, “fazer a coisa certa”, também deve ser levado em conta. Uma abordagem que considera o ambiente natural e social onde opera uma empresa e o impacto que esta tem sobre ele, preenche sua contribuição total para a sociedade. Já existem empresas que operam assim, como a Ford, incluiu isso em seus valores chamando o relacionamento com clientes, colaboradores e a Comunidade de ‘licença para operar’ (2).

Incorpore a sustentabilidade que representa agendas atraentes e as oportunidades serão explicadas no decorrer deste artigo. Mas além de ser dito que a pior coisa que podemos fazer é “não fazer nada”, esta questão traz riscos consideráveis para as empresas.  Alguns desses riscos são:

Danos à marca e perda de confiança dos clientes e/ou consumidores, um evento que poderia ser previsto.

  • Alguns exemplos são: sinais de entidades não-governamentais para processos ruins na cadeia, fornecedores com más práticas, a identificação de ingredientes tóxicos ou poluentes, produtos, ou acidentes em cadeia que afetam os ecossistemas de todo.

• Legislação. Cada vez que há um entendimento mais comum do problema e mais e mais governos incluem estas questões em discussões legislativas, mas não é necessário esperar por leis que nos dizem o que é certo ou não, se já sabemos de antemão.

Então, se nós trabalhamos duro para construir uma imagem positiva nas mentes dos clientes, o quê mantém a possibilidade latente de perder milhões, simplesmente por acreditar que podemos salvar alguns pesos?

Cadeias de abastecimento que começam mais cedo do que mais tarde seu caminho para a sustentabilidade poderão se beneficiar no futuro, pois será quando o regulamento será mais rigoroso em matéria de emissões de carbono e outras questões conexas; aqueles que permanecem em multas de risco de modo reativo ou investimento forçado e apressado. Os efeitos deste movimento em direção a uma cultura sustentável que está permeando o governo já aconteceram em alguns países, como a China, por exemplo.

Pequim
Pequim, China coberta por contaminação – de janeiro de 2013. Fonte: BBC News

Em agosto, a China anunciou um investimento de US $275 bilhões nos próximos 5 anos para limpar a poluição do ar na maior parte de Beijing e as cidades circunvizinhas. Deve notar-se que a China é o maior emissor de dióxido de carbono, o gás de estufa principal que provoca o aquecimento global, globalmente. Por não respeitar o acordo para reduzir essas emissões, duas das empresas do país, a China National Petroleum Corporation e a China Petrochemical Corporation, as duas principais empresas de óleo do país, foram penalizadas, e todos os seus projetos de refinaria foram suspendidos. (3)

A cadeia de abastecimento sustentável assume particular relevância quando reconhecemos que processos por que encontramos os responsáveis em direcionar o uso de materiais, energia e água, bem como importantes geradores de emissões de poluição. Não é sem fundamento que encontramos na literatura e o entendimento coletivo da sociedade, declarações como: “os mais comumente percebidos inimigos da proteção ambiental são as operações de fabricação e produção” (4). Soa familiar?

Cadeia de suprimentos sustentáveis: o novo gerador de valor

A cadeia de suprimentos visa proporcionar o melhor serviço ao menor custo possível; E coloca o sobrenome “sustentável”, significa minimizar o impacto ambiental para garantir um impacto social positivo.

Além da contribuição de uma empresa para a solução, uma cadeia de abastecimento sustentável também é um negócio muito bom. Por quê? Porque uma cadeia de abastecimento sustentável:

  1. Consome seu combustível com eficiência.
  2. Otimiza a produção e os logísticos ativos disponíveis (tais como armazéns, transporte, fábricas, inventário, etc.).
  3. Projeta seus produtos considerando o ciclo de vida completo e seu impacto global sobre o meio ambiente.
  4. Estabelece compromissos com seus parceiros comerciais que têm objetivos comuns, de reduzir o desperdício e os custos, bem como melhorias no serviço e na qualidade.

Esses pontos impactam positivamente a rentabilidade do negócio, transformando a cadeia de suprimentos em um gerador de valor, além de ser uma mensagem muito poderosa para os clientes e a sociedade em geral.

Onde estão os benefícios da cadeia de abastecimento sustentável?

A óbvia contribuição ao meio ambiente, além de uma cadeia de abastecimento sustentável tem benefícios reais com um impacto financeiro. Estes vêm principalmente o conceito-chave de sustentabilidade para reduzir ineficiências e desperdícios, aplicados a todos os processos de produção e logística ao longo de uma distribuição mais eficiente do produto, o que é uma das maiores fontes de benefícios, bem como diminuir o consumo de materiais e os custos da unidade de produção. A abordagem de ciclo de vida total do produto, do design e o desenho do seu processo de fabricação, permite incorporar materiais reciclados ou reutilizar componentes no final da vida útil, reduzindo assim os custos de entrada.

Há também benefícios intangíveis como contra a diferenciação de consumidor e o fortalecimento das marcas para os produtos orientados para o ambiente. Outra vantagem é a gestão e redução dos riscos associados com a possibilidade de nova legislação sobre o assunto. Ninguém quer ficar na situação das empresas petrolíferas chinesas.

Esta realidade faz para converter uma cadeia de suprimentos para torná-lo sustentável, é uma decisão do negócio que tem um real retorno sobre o investimento e não apenas boa cidadania e benefícios.

A tabela 2 mostra vários exemplos de tais benefícios:

Cadeia de abastecimento sustentável

O caminho para uma cadeia de fornecimento sustentável

Desde que nós temos uma equipe de gestão da nossa empresa e sua diretoria no pote de sustentabilidade, considerando-o como um elemento relevante da estratégia de negócios, como começar a implementá-lo com sucesso na cadeia de abastecimento? Para isso nós esboçamos uma série de etapas.

Começando com o primeiro passo, podemos considerar que nós cobrimos uma parte significativa da viagem: patrocínio executivo. Se não o fizéssemos, seriam geradas, descentralizadas e não-integradas iniciativas que diminuem a eficácia dos esforços que ainda não vão na mesma direção. E isso seria no melhor dos casos. Para evitar que nos encontremos nesta situação, é necessário contar com o apoio do mandato central, alinhados à estratégia de negócio global, para fornecer recursos para o caminho a percorrer.

O próximo passo imediato é criar uma estratégia que nos levará para a sustentabilidade: é o caminho que um barco que temos como uma organização. O exercício é igual a qualquer outra estratégia de preços:

(1) Define as orientações estratégicas – para uma cadeia de abastecimento sustentável, irão girar em torno de:

• Gerenciar a pegada de carbono, ou seja, para compreender a origem das nossas emissões, opções para reduzi-los e a sua medição.

• Trabalhar com organizações humanas em todo o negócio: fornecedores, clientes, comunidades, capital humano interno.

• Incluir as idéias de sustentabilidade no processo de criação de valor da empresa. Por exemplo: em bens de consumo, projetando produtos que maximizem a reciclagem; em construção, projetar elementos que estão em conformidade com as certificações internacionais – LEED-; no comércio a retalho, fornecedores de recompensa com certificações de sustentabilidade, etc.

(2) Defina os objetivos a alcançar. Isto significa ter indicadores claros que incluem a medição da base atual e sobre o que vamos ver melhoria, os níveis dos indicadores chaves que buscamos a chegar e o horizonte de tempo.

(3) A definição e priorização de iniciativas de mudança que irá pousar a estratégia de ação e será que gerar o impacto na cadeia de abastecimento.

A tabela a seguir tem alguns exemplos de iniciativas que o impacto económico e ambiental e social.

Iniciativas

Como estratégia de negócios, a definição é apenas o passo inicial, o impacto real no dia a dia e a necessidade de monitoramento contínuo da estratégia implementada ao mais alto nível e a qualidade na alocação de recursos (tecnologias para a coleta de informações, pessoal com a medida de responsabilidade, interpretam e comunicam resultados, orçamentos de capital exigido pelas iniciativas (precisava de apoio externo, etc.).

Como em qualquer outra área de negócio que buscamos melhorar, as acções necessárias para ter uma cadeia de abastecimento sustentável partem tem indicadores que nos ajudará a medi-los. Para construí-los, a primeira coisa a fazer é identificar quais são os elementos da nossa cadeia que estão sob nosso controle e tem maior impacto sobre o meio ambiente, ou em outras palavras, contribuir mais para a pegada de carbono da empresa. Podemos considerar 4 categorias principais: consumo de energia, consumo de água, consumo de materiais e geração de resíduos. Alguns exemplos são: transporte, produção, embalagem, matérias-primas, entre outros, que derramou nos indicadores tais como: consumo de combustíveis fósseis, galões de águas residuais, a eficiência da produção, percentual de embalagens biodegradáveis, etc. É importante considerar que estes indicadores são geralmente algo novo para uma empresa, assim o esforço de coleta de dados inicial deve planejar com recursos adequados.

Baseado nessa compreensão e a estratégia definida, podemos definir metas para a melhoria que têm impacto sobre a redução das emissões em cada setor e iniciativas de parceiros para que possa atingir estes objetivos e, desta forma, que cheguemos ao nosso destino: uma cadeia de abastecimento real e sustentável. A implementação das iniciativas só será possível quando para uma empresa, a sustentabilidade torna-se um valor existe no dia a dia e de decisão para decisão.

A meta ideal é atingir o conceito conhecido em inglês como “net zero emissão de carbono” e que se refere a reduzir ou compensar o carbono que é liberado para o ambiente pela operação da cadeia, para que o total líquido é zero; redução é conseguida através da utilização de energias renováveis e a compensação é feita através de programas que visam reduzir as emissões em outras partes do mundo, uma maneira simples é o plantio de árvores. Todos podem participar em que a prática, como uma organização ou como indivíduos.

Podemos não ficar atentos para as emissões de dióxido de carbono, a medição também pode incluir outros gases de efeito estufa, convertido em seu equivalente em CO2 com padrões internacionais.

Eu já incorporei a sustentabilidade, mas como conseguir que a minha empresa seja ‘Carbono neutro’?

O passo inicial para atingir a neutralidade de carbono é fazer um inventário dos gases com efeito de estufa geradas na cadeia, isto implica ter clareza de que estes gases, as atividades para gerá-los e  que fontes devem ser incluídas na contabilidade.

Muitas grandes empresas começaram a se esforçar para atingir este objetivo, incluindo: Dell, Google, HSBC, Pepsico

Para obter um carbono neutro em cadeia precisa-se incorporar, à gestão de negócios, indicadores que ajudam a determinar o nível de emissões que possui a seqüência de caracteres e, portanto, identificam o que podemos fazer para reduzi-los e determinar o nível de impacto que estamos a conseguir.

Alguns exemplos destes indicadores são:

• Fabricação:

  • Consumo de combustíveis fósseis
  • A utilização de fontes alternativas de energia
  • O consumo de água nos processos de planta
  • A utilização de materiais

• Transporte

  • A eficiência no consumo de combustível
  • As emissões por volume transportado
  • O transporte de energia alternativa

Estes são apenas alguns exemplos que devem tomar uma mais específica de acordo com as peculiaridades de cada indústria e cada empresa.

Conclusões

Há um fato que temos de aceitar, sustentabilidade está aqui para ficar, não é uma moda, não é algo sem importância que a sociedade e o governo vão esquecer logo: temos que aprender a incorporar o conceito de nossa realidade cotidiana.

Tal e como aconteceu com o conceito de qualidade na década de 1970, empresas que são proativas em sua incorporação o negócio alcançará benefícios significativos. A questão então não é um trade-off entre a sustentabilidade e a rentabilidade, a pergunta certa é: tornar-se um positivo sustentável (ou pelo menos neutra) que afetam a rentabilidade?

A inação, por outro lado, coloca em risco a má publicidade empresa ou futura legislação exigindo ação às pressas.

A definição de uma estratégia abrangente de sustentabilidade que se alinha com a estratégia global da empresa é essencial para iniciar um esforço que, sem dúvida, vai jogar muitos elementos da empresa. Ao mesmo tempo, deve ser ênfase em inserir o conceito em negócios culturais, estratégicos e operacionais de tecido para que se torne algo todos os dias e família.

Os primeiros passos irão exigir novos conceitos de aprendizagem, gerar novos indicadores com informações geralmente ignorado e substituído um tradicional para a visão da futura abordagem. O resultado, no entanto, será rentável e, acima de tudo, muito satisfatório e gratificante contribuir para o bem-estar das futuras gerações.

Bibliografia:

1 Comissão Mundial sobre meio ambiente e desenvolvimento. Nosso futuro comum, relatório da Comissão Mundial sobre meio ambiente e desenvolvimento. Publicado como anexo ao documento da Assembléia Geral A/42/427. s.l.: cooperação, desenvolvimento e internacional: meio ambiente, 1987.

2 Sustentabilidade é grátis – o caso para fazer a coisa certa. Rogers, Dale S. de novembro de 2011, s.l.: Supply Chain Management Review, 2011.

3. Melhores projetos das empresas petróleo suspendidos sobre poluição. Xinye, Wang. s.l.: CCTV News, 31 de agosto de 2013.

4 Projetando a cadeia de suprimentos verde. Beamon, Benita M. 4, 1999, gestão de informação logística, Vol. 12, pp. 332-342.

5. Universidade de San Francisco. Gerenciamento de cadeia de Ssupply verde. s.l.: Universidade de San Francisco, 2012.

6. Cemex. Relatório de desenvolvimento sustentável – construção de cidades para o futuro. s.l.: Cemex, 2012.

7 FedEx Corporation. Gols de cidadania globais & relatório de progresso. s.l.: FedEx Corporation, 2012.

 

Sintec es la firma de consultoría líder en generar crecimiento rentable y desarrollar ventajas competitivas a través del diseño y ejecución de Estrategias integrales e innovadoras de Clientes & Operaciones.


Sintec es la firma de consultoría líder en generar crecimiento rentable y desarrollar ventajas competitivas a través del diseño y ejecución de Estrategias integrales e innovadoras de Clientes & Operaciones.

Abrir chat
¿Buscas más información?